sexta-feira, 8 de maio de 2009

Nova Zelândia, a ascensão dos vinhos do novo mundo.




Eu sou apaixonado por vinhos da Nova Zelândia, acho que até hoje nunca tomei um vinho deles que não tenha gostado. Uma pena não termos tanta oferta no Brasil, já que geralmente são caros, pois tem alta qualidade e o frete de lá até aqui dificulta as importadores comercialmente.
Quando algum cliente pede uma sugestão de vinho, tento na maioria das vezes sair do óbvio. O óbvio é oferecer um Malbec Argentino e um Cabernet chileno. Não que eles não sejam bons, muito pelo contrário, mas nós precisamos compará-los uns aos outros, ou seja, abrir a cabeça. Abrir a cabeça para mim significa sentir novos aromas, novas notas, outro corpo, seja de um vinho ou de um ingrediente de um prato.
Na maioria das vezes quando o cliente prefere uma sugestão do novo mundo, costumo oferecer Nova Zelândia, África do Sul e Austrália não só para sair do óbvio, mas obviamente para que ele saia satisfeito e levando para casa uma nova experiência.
A Nova Zelândia hoje em dia é um dos maiores destaques do novo mundo. Apesar de não ser um grande produtor mundial, é um ótimo produtor em relação a qualidade. Seu Sauvignon Blanc e Pinot Noir são considerados (e com razão) um dos melhores do mundo. Sua vinificação é uma das mais modernas e bastante influenciadas pelos enólogos formados na Universidade de Adelaide, na Austrália chamados de flyingwinemakers.
Os melhores Sauvignon Blanc são produzidos na Ilha Sul na região de Marlborough. Raramente são amadurecidos em carvalho para manter seu frescor, fruta e acidez.
Os bons Pinot Noir vêem da região de Central Otago e Martinborought (Wellington) no sul da Ilha Norte e Central Otago ao sul da Ilha Sul. É considerada por especialistas como a uva do futuro na Nova Zelândia por sua incrível complexidade, frescor e fruta, muitos deles comparados a bons Borgonhas.
Na Ilha Norte podemos destacar Hawker´s Bay e Ilha de Waihiki onde é feito ótimos cotes bordaleses, (Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc) e a Chardonnay. Estão em ascensão também a Syrah que em alguns anos deverá ter o mesmo destaque da Pinot Noir do Sul.
Tente um Sauvignon Blanc com uma entrada elaborada com queijo de cabra e um pinot noir com um atum grelhado ou uma ave. Você irá se surpreender.
Os Sauvignon Blancs da Nova Zelândia tem por característica apresentar notas interessantes de aspargos dá uma ótima harmonização com salmão grelhado e aspargos frescos, por exemplo.
Vinhos Premium também são produzidos com castas de variedades da Alsácia como Riesling, Gewururztraminer e Pinot Gris nas regiões mais frias da ilha sul.
Abra sua mente, beba mais vinho e viva mais!

4 comentários:

  1. Boa Perazza!! To gostando do seu blog!!

    ResponderExcluir
  2. Realmente são vinhos maravilhosos e produzidos com muita tecnologia. Só em alguns vinhos, principalmente os tintos, que eles ainda não obtiveram uma excelente matéria-prima.

    Boa Pera!!

    ResponderExcluir
  3. Concordo com voce! Eu morei em Los Angeles e durante os 5 anos que la morei eu so bebia os sauvignon blancs e provei vaaaaarios!
    Sao deliciosos e eu dou enfase no Babich e gostava muito do Picton Bay que era mais facil de achar pois era vendido no Trader Joe's por inacreditaveis $7,99!!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Anônimo!
    Infelizmente é difícil encontrar muitas opções de neozelandezes ainda mais com bom custo benefício.

    ResponderExcluir